AGIR – Programa de Acções para uma Governação Inclusiva e Responsável

AMPCM capacita técnicos de “Extensão Agrária”

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on print
Print
Share on email
Email

A Associação Moçambicana Para Promoção do Cooperativismo Moderno (AMPCM) capacitou, nesta quinta-feira (16), cerca de 20 técnicos das delegações provinciais da Direcção Nacional de Extensão Agrária (DNEA) do Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar (MASA).

A capacitação orientada pelo Director Executivo da AMPCM, Cecílio Valentim, foi em torno do Cooperativismo como solução para o sucesso do Agronegócios e Desenvolvimento do País.

Com efeito, os participantes foram submetidos a um pré-teste para avaliar o grau de conhecimentos e habilidades anteriores dos técnicos do DNEA antes da formação e no final estes foram submetidos ao teste final visando testar o nível de receptividade dos conhecimentos partilhados pela AMPCM sobre cooperativismo moderno, negócios cooperativos.

Durante os debates, o formador fez uma bordagem sobre o surgimento do cooperativismo moderno no mundo, uma radiografia sobre o modelo em Moçambique e bem como, às vantagens e benefícios que o modelo de negócios cooperativo traz aos seus associados, comunidades e o País.

Técnicos apostam no cooperativismo
Entretanto, os formandos confirmaram que não tinham conhecimentos profundos sobre este modelo de organização de grupos com as mesmas aspirações económicas, sociais e culturais. Mas, após, a capacitação sobre o cooperativismo moderno, sentem-se identificados com este modelo de organização e negócios, pois, contribui para resolver os grandes problemas dos produtores que tem haver o acesso aos insumos e tecnologias de qualidade, acesso ao mercado e melhores preços para remunerar os agricultores e desenvolvimento económico e social do país, de forma inclusiva e sustentável.

Neste contexto, o Director Executivo da AMPCM fez saber que existem diferenças entre cooperativas e associações. Segundo Cecílio Valentim, as cooperativas, pelo seu quadro legal, são o micro, pequenas e médias empresas e procedem aos fins de negócios enquanto as associações pelo seu quadro legal, não procedem com fins lucrativos e visam defender e promover os interesses sociais de grupos e não é um modelo para viabilizar negócios.

Os benefícios e vantagens das cooperativas
Foi feita uma radiografia das reais diferenças entre cooperativas e associações aos técnicos do DNEA, facto que despertou atenção dos técnicos da Direcção de Extensão Agrária nas províncias e comunidades, e cientes dos benefícios para os produtores e organizar o sector de Agronegócios a partir das Comunidades espalhadas pelo País e pelo facto, manifestaram o interesse e promessa de trabalharem na disseminação e promoção do modelo de organização de grupos produtivos em cooperativas.

As Cooperativas promovem a cultura de trabalho, inclusivo e participativo em ambiente de Especialização e Economia de Escala.

Os técnicos da Direcção de Extensão Agrária ao nível das províncias pediram para que a sua instituição junto com a AMPCM continuem a promover capacitações do género nas províncias, pois as pessoas não pautam pelas cooperativas devido ao défice de conhecimento sobre o modelo de negócios cooperativo em Moçambique, não obstante ser o modelo que melhor responda com eficácia e eficiência às necessidades e limitações actuais do sector de Agronegócios.

De referir que a capacitação dada pela AMPCM aos técnicos da Direcção de Extensão Agrária do Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar sobre o cooperativismo moderno insere-se no âmbito da promoção e advocacia em prol do cooperativismo moderno, uma actividade financiada pela Fundação Para a Melhoria do Ambiente de Negócios (FAN).

Saudações Cooperativistas:
IPEME, Confederação das Associações Económicas de Moçambique – CTA, Presidência Da República De Moçambique, Embaixada do Reino dos Países Baixos, Cooperativa de Consumo da Polana, Gabinete do Primeiro-Ministro da República de Moçambique, Helvetas Schweiz, FDC – Fundação para o Desenvolvimento da Comunidade, Fundação FAN, Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural, Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar, Ministério da Indústria e Comércio – Moçambique, Coopermondo – Confcooperative.

Outros artigos:

agir

agir

O AGIR – Acções para Uma Governação Inclusiva e Responsável, é um programa de apoio e capacitação das Organizações da Sociedade Civil (OSC´s) Moçambicanas, cuja primeira fase de implementação decorreu de 2010 a 2014. Desde Janeiro de 2015 até Dezembro de 2020 decorre a segunda fase, com a duração de seis anos, tendo a Embaixada da Suécia como seu principal financiador, com apoio suplementar das Embaixadas da Dinamarca e Países Baixos.

Deixe o seu comentário

Close Menu